Neste último domingo de outubro, em Roma encerra-se o Sínodo da juventude, realizado sobre a fé e o discernimento vocacional, como tarefas e urgências.  
Seria importante, neste domingo, fazermos uma reflexão sobre a Igreja e a juventude ou então sobre o lugar e o espaço que a juventude ocupa em nossa Igreja. 
É muito conhecida a frase de São Paulo VI, em 1968, quando ele dizia que “o jovem é o principal apóstolo da juventude”. A partir deste pensamento, aqui no Brasil, surgiram dezenas de Movimentos, inspirados na metodologia do testemunho e no trabalho dos jovens, em busca de seus colegas e amigos, para a mesma experiência de Deus que eles mesmos já fizeram. Em geral, são dois ou três dias de encontro, sob a orientação de um sacerdote, com a participação de jovens que já estão vivendo a mesma mística, procura-se dar aos jovens a oportunidade de um encontro pessoal com Jesus Cristo. 
Em nossa diocese, temos o Movimento de Emaús, que foi trazido ao nosso Estado em 1973, o CLJ (Curso de Liderança Juvenil), fundado em Porto Alegre, no ano de 1974 e o EJC (Encontro de Jovens com Cristo), que também chegou a Porto Alegre em 1974 e o EJU (Encontro de Jovens Universitários), fundado em São Leopoldo nos anos oitenta. Também chegou o ONDA (objetivo novo de apostolado). São milhares de jovens de nossa diocese que já participaram desta experiência. Hoje, muitos deles já estão casados, com filhos e netos, inseridos no mercado de trabalho, atuando em muitas frentes da Igreja. 
Ao mesmo tempo, estes movimentos continuam presentes e ativos em muitas de nossas paróquias, realizando encontros e produzindo frutos extraordinários. Em nossas andanças pelas paróquias da diocese, é impressionante como as paróquias que tem um bom movimento de jovens logo se diferenciam das demais. Ali há juventude, há vida nova, há esperança e entusiasmo em toda a parte, mas especialmente na música e no canto.
Neste ano, os jovens das dioceses de nosso Regional da CNBB estão organizando um novo Bote Fé, a ser realizado em Parobé, a 24 de novembro, aqui em nossa diocese. Nossos jovens, à semelhança do homem do evangelho, também gritam: “Jesus, filho de Davi, tem piedade de nós, olha para a nossa juventude”!